VISITANTE Nº

contador de visitas

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Reaproximação de Eduardo e Jarbas vem desde dezembro e promete ter novos capítulos

 

eduardo e jarbasSabe aquela máxima nunca diga nunca? Pois se serve para a vida prática cai como uma luva para a mão escorregadia da política.
A reaproximação entre o governador Eduardo Campos (PSB) e o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), noticiada nesta quarta pelo Diario, em matéria da editora-assistente de Política, Andrea Pinheiro, é prova disso.
Os dois lideram grupos antagonistas no estado, travaram embate inflamados em disputas eleitorais, mas já foram aliados.
Quem sabe, buscaram no passado razões para um distensionamento no futuro. Quem sabe, os tais interesses de Pernambuco não estariam servindo de amálgama para selar um pacto de convivência. Vá saber.
Eduardo, de olho no propagado e combatido projeto nacional, tem investido, sem censura, na conquista de espaço, apoios e holofotes. Portanto, procurar um adversário em busca de diálogo não chega a ser surpreendente.

Jarbas, liderança que sabe se fazer ouvir a partir de Brasília, pode incomodar e muito o governador caso resolva iniciar uma campanha contra o voo “federalizado” do socialista.
Conhece, como poucos, as mazelas de Pernambuco e pode construir um discurso capaz atrapalhar os planos de Eduardo. Aguardemos, pois, os desdobramentos dessa retomada de relação. Esta história toda pode até não dá em aliança, mas vai dar muito o que falar.
Leia a matéria publicada no Diario clicando no link abaixo:

Inimigos em busca de trégua

Adversários históricos, o governador Eduardo Campos (PSB) e o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), de fato, estão numa campanha de reaproximação. A troca de cumprimentos no Baile dos Artistas, há 15 dias, foi o desdobramento de um encontro que aconteceu em dezembro, antes da viagem do socialista para a Europa com a família. A conversa entre os dois foi realizada longe dos holofotes, na casa de um amigo comum, no Recife, e durou cerca de três horas. Trataram de política nacional, sem se ater às discussões locais.
O novo cenário da política pernambucana pode ser colocado como o principal motivador da tentativa de restabelecer os vínculos. A Eduardo não interessa alimentar brigas paroquiais. Presidente nacional do PSB, o governador, cada vez mais, é referência para tratar de temas que sensibilizam a opinião pública nacional, como a distribuição dos royalties do petróleo. E, por isso, se tiver que lidar com oponentes, prefere que eles também tenham inserção em todo o país. Não quer inimizades geradas no seu estado natal. Aqui, quer ter uma convivência de civilidade com todos, sem importar muito as bandeiras.
Jarbas, por sua vez, deliberadamente dedica o mandato no Senado a questões nacionais. No primeiro discurso que fez na tribuna neste ano, por exemplo, o peemedebista fez duras críticas à presidente Dilma Rousseff. Não que ele se furte a tratar sobre os assuntos do estado – ele articula a candidatura da oposição à Prefeitura do Recife. Mas, mesmo provocado, evita fazer críticas às lideranças pernambucanas, inclusive a Eduardo. O interesse do filho do senador Jarbinhas de concorrer a uma vaga na Câmara de Vereadores do Recife também é apontado como um novo componente dessa reaproximação. A nova geração não pode se contaminar com “ódios” antigos.

Não é a primeira vez que um amigo comum de Eduardo e Jarbas age para apaziguar a relação de ambos. Na campanha de 2006, o ex-ministro Fernando Lyra, irmão do vice-governador João Lyra Neto (PDT), foi fiador de um pacto de não agressão entre as duas lideranças. No primeiro turno, quando Mendonça Filho (DEM), Humberto Costa (PT) e Eduardo concorriam ao governo do estado, Jarbas e Eduardo não trocaram acusações. No segundo turno, a campanha do hoje deputado federal Mendonça Filho trouxe à tona o escândalo dos precatórios, mas Eduardo, segundo dizem socialistas, não atribuiu o episódio a uma ação do senador. Também foi Fernando Lyra o responsável por levar Jarbas ao Hospital Esperança para visitar o ex-governador Miguel Arraes, avô de Eduardo, em 2005. Na época, Arraes estava internado e faleceu poucos dias depois.

Poucos aliados tomaram conhecimento do encontro de Eduardo e Jarbas em dezembro. Nem mesmo os mais próximos confirmam a existência da conversa. Os que foram informados sobre o assunto apostam que, depois do carnaval, o governador e o senador voltarão a se reunir e, dessa vez, com publicidade. Procurado pela reportagem, o senador não atendeu aos telefonemas. O governador teve compromissos ontem em São Paulo, de onde embarcou para a Colômbia.

 fonte:blog do Josué Nogueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário