VISITANTE Nº

contador de visitas

segunda-feira, 19 de julho de 2010

O BRASIL NÃO ESTÁ PRONTO PARA CRESCER



O crescimento econômico brasileiro é evidente. Justamente por conta desta expansão, o Comitê de Política Monetária (Copom) modificou a tendência de baixa da taxa básica de juros, a Selic, para iniciar um período de alta nas últimas reuniões. É a demanda de consumo e a ampliação nos projetos de infra-estrutura do País que estão ditando as regras. No entanto,  como escrevi alhures, o incremento nestes investimentos não está sendo acompanhado de mão de obra capacitada. Ou seja, o Brasil conta com grandes obras estruturadoras, mas falta gente capacitada para ocupar as vagas que estão por vir.

A escassez de mão de obra técnica coloca-se como um desafio a ser enfrentado no País. De acordo com uma pesquisa realizada pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) junto a seus associados com o apoio do Ibope, o nível de crescimento econômico não está atrelado à expansão dos centros de formação, o que necessariamente  deveria acontecer. Também configuram-se como entraves para a competitividade brasileira os parcos  investimentos públicos e a dispersão territorial do mercado de trabalho, além da inviabilização de modelos de parceria público-privada, segundo os entrevistados da pesquisa.

Por outro lado,  o Brasil tem pressa de crescer. A crise econômica que estourou no mundo no fim de 2008 mostrou, ao menos, que estamos prontos para este grande salto, com uma economia sólida e despertando interesses no tocante aos investimentos estrangeiros. Os próximos anos são promissores, mas a falta de disponibilidade de mão de obra técnica adequada, treinada e qualificada se destaca neste cenário.  Com efeito, constatamos que a necessidade de  mais investimentos, por parte do Governo Federal, nas escolas e universidades brasileiras.  Há,  por outro lado,  carência de injeção  de mais recursos em programas de capacitação interna. Enfim, falta incentivar o trabalhador brasileiro e inserí-lo neste mercado de trabalho.

O problema é nacional, mas nas regiões onde vive a população de menor poder aquisitivo, a escassez de profissionais  qualificados é ainda maior. É o caso do Nordeste, região que necessita de um progresso mais acelerado que a média nacional, onde a disponibilidade de profissionais com o perfil demandado pelo mercado é pequena e a ausência de centros de capacitação, o que se tornaria essencial para garantir os profissionais que serão necessários no futuro, é grande.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário